Quando nós falamos de Star Wars, a maioria dos fãs vai falar que a trilogia prequel, que consiste nos episódios I, II e III, são uma merda. De fato eles não chegam perto dos filmes da trilogia original, mas existem coisas boas sim. Eu mesmo já falei em algum episódio do nosso podcast [1, 2, 3, 4] que eu acho Star Wars: Episódio III – A Vingança dos Sith tão bom quanto Star Wars: Episódio IV – Uma Nova Esperança. Por que tão bom quanto? Eu acho o episódio bem arrastado, afinal tem que introduzir muitos personagens daquele universo, então é normal que seja mais arrastado.

Eu não estou comparando os enredos, estou só falando que PRA MIM o episódio IV é o pior da trilogia original, enquanto acho o episódio III um filme bem bom. Ou seja, o melhor da trilogia prequel x o pior da trilogia original. Talvez eu nem devesse estar falando isso aqui, porque as pessoas hoje estão tão sedentas por razão, que é capaz de aparecer uma onde haters aqui nos comentários. Mas calma gente, eu tenho a minha opinião, vocês tem a de vocês e a amizade continua! Simples assim.

Mas na real nem foi disso que eu vim falar nesse post. Pensando nesse assunto, eu separei 5 coisas da trilogia prequel que são realmente boas, e poderiam ter sido melhores aproveitadas. Shall we?

Qui-Gon Jinn

Porra, que Jedi foda, mano! Não só no visual dele que realmente o deixa com cara de mestre Jedi, daqueles que já enfrentou mil situações e tem bastante experiência para passar para seus padawans, mas o cara realmente é um sábio. O Liam Neeson também fez um trabalho primordial. Com toda a calma que lhe é peculiar, o cara ali se transformou num Jedi e ponto.

É realmente uma pena que ele tenha durado apenas um filme. Talvez ele pudesse ter tido um final diferente, entrando pro conselho Jedi ou algo do tipo. Agora para e pensa: a morte dele fez com que fosse necessário colocar o Yoda para lutar contra o Count Dooku. Se você acompanha a saga, sabe que Qui-Gon Jinn foi treinado pelo Dooku, não ia ser MUITO mais foda se fosse uma batalha de mestre x aprendiz, ao invés do Yoda CGI pulando pra lá e pra cá igual uma gazela?

Darth Maul

Vou tentar manter uma linha cronológica nesse post aqui, então vou ainda falar de coisas do episódio I. Ou seja, precisamos falar do capiroto, do mochila de criança, do pata-rachada, do banner do baidu, do belzebu, do canhoto, em forma de Sith. Sua primeira, e aqui você vai entender o porque de ter enfatizado isso, aparição foi em Episódio I – A Ameaça Fantasma. Como grande mestre sith do filme, ele seria o encarregado de destruir os Jedi que ali estavam (Obi-Wan e Qui-Gon). Ele já me fez a cagada de derrotar Qui-Gon, mencionado acima, mas não foi páreo para a cara de diarréia de Obi-Wan Kenobi que o fez recuperar o sabre de luz de seu mestre, e então fatiar Maul ao meio.

Agora eu disse “primeira” aparição de Maul, porque ele fez tanto sucesso entre os fãs que, no finado Universo Expandido, ele foi ressuscitado com um par de pernas mecânicas. E aparece mais vezes na série animada Star Wars: Clone Wars, com uma cara mais demoníaca do que a de antes. Até findar de vez.

Uma pena ter durado tão pouco. #RIPMaul

Lutas de Sabres de Luz

Ok, vamos combinar que as lutas de sabre de luz da trilogia clássica não são nada atrativas, né? Elas tem um peso emocional MUITO grande, principalmente na luta entre Luke x Vader onde o primeiro libera toda sua raiva a ponto de quase ir para o lado negro. Porém a força era forte naquele lá. Ele para, pensa, põe a mão na consciência e diz para o imperado: “Eu sou um Jedi. Assim como meu pai antes de mim.”, e se mantém do lado “da luz”.

Mas gente, o que foi a batalha Ben x Vader no episódio IV? Pareciam dois véinho lutando com bengala.

OBS: enquanto eu pesquisava por esse gif acima, encontrei esse:

Não é demais? HAHAHAHAHAHAHAHAHA

Voltando à pauta: isso foi uma coisa que eu acho que a trilogia prequel fez bem. Trouxe lutas mais acrobáticas, que enchem os olhos e nos fazem comprar sabres de luz para poder brincar com os amigos e ensaiar coreografias malucas, apenas para tentar reproduzir as do filme. Tudo bem que nem tudo são flores, afinal, na cena abaixo parecia que os dois estavam ensaiando a coreografia de Locomia.

Mas é inegável que a batalhas são bem mais legais de assistir, principalmente a batalha entre Obi-Wan e Darth Maul, do episódio I.

Arena de Jedis

Olha, eu pensei muito pra conseguir colocar alguma coisa do Episódio II aqui. Pra mim, é o pior filme de todos. Ele consegue ser pior que o Episódio I, pra mim, pois tirando o piti que o Anakin dá quando o povo da areia sequestra a mãe dele, não acrescenta muita coisa na história. Só deu mais piada pra gente, com o Conde Dooku (que felizmente foi traduzido pra Dookan), e o mestre Zaifo-Dias (que teve seu nome trocado para Zaifo-Vias).

Do ponto de vista mais infantil, porque eu era apenas uma criança de 11 anos quando o filme estreiou e nem pensava em um dia ser blogueiro e morar fora, a arena onde aquela CACETADA de Jedi pousa e começa a fatiar os clones é uma das cenas mais legais. Mas, de novo, olhando com um olho mais infantil, porque na época tudo o que eu queria era ver Jedi pra lá e pra cá. Se você levar o Louis de 2002 pra assistir Rogue One, é bem capaz que ele ache uma merda, pois não é um filme sobre Jedi ou a força.

É legal, vai!

A matança do Episódio III

Porque eu gosto do Episódio III? Eu acho que ele é uma ótima ponte entre as duas trilogias. Na trilogia clássica já vemos Vader como um vilão, mesmo que ainda um capacho do Moff Tarkin, ele já era um vilão estabelecido na galáxia. Sabíamos que ele tinha ido para o lado negro, mas como e porque isso aconteceu?

No episódio III temos essas respostas. Anakin, desesperado para salvar Padmé da possível morte que ele “previu” num sonho, cai no conto do vigário velho franhudo, acreditando que ele realmente tinha o conhecimento para salvar as pessoas da morte. Inclusive, nessa cena, quando ele fala que Darth Plagueis ensinou tudo o que ele sabia ao seu aprendiz, e que numa noite o aprendiz foi lá o matou, ele tava falando de si próprio, viu? Caso você não saiba.

E aí quando Anakin pergunta: “É possível aprender esse poder?”, e Palpatine responde: “Não de um Jedi”, ali aconteceu a passagem pro lado negro. E porque eu acho isso um bom motivo? Porque é um motivo passional, e mostra quão instável Anakin é. Jedi não podem ser passionais, não podem amar, e tem que colocar a razão acima de tudo. Mas Anakin não era nada disso, e nesse desespero foi para o lado negro.

Aí, meu amigo, ele vem com sangue nos olhos. Quando o velho franhudo manda executar a Ordem 66, é pra cair de joelho e deitar em posição fetal. A cena da morte da Aayla Secure, do Ki-Adi Mundi e de muitos outros, dá até dó.

Mas nada é igual à cena de Anakin matando os younglings, como Yoda gostava de chamar, no Templo Jedi. Ele vem sem dó nenhuma, de ninguém, só cumprindo ordens para completar a passagem para o lado negro.

 

É claro que se a gente for listar com calma, coisas melhores podem aparecer e, se bobear, rende até um podcast. É muita coisa pra comentar, muita teoria, muita opinião, então é bem difícil realmente definir o que é bom e tirar o que é ruim, além de ser apenas uma questão de opinião.

E você, acha que a trilogia prequel é só ruim e nunca deveria ter existido? Poderia fazer uma lista das coisas que ela tem de ruim, hein? Aí essa fica grande! Comente aqui o que você acha!

Acompanhe o ProcrastiNATION nas redes sociais, no Facebook e no Twitter.

Não esqueça de me seguir também, no Twitter e no Instagram.

Deixe uma resposta