O post de hoje é para os Whovians. Ou se você não sabe do que eu tô falando, Doctor Who, uma série que eu resisti muito e enrolei pra começar a assistir.

E vou admitir, que engano! É uma série muito boa, se você gosta de ficção científica.

De qualquer maneira, eu mal me acostumei ao Doctor atual, Peter Capaldi, já vou ter que me despedir dele. Infelizmente o ator anunciou que a próxima temporada, será sua última no papel.

E a mecânica utilizada na série para trocar o protagonista de tempos em tempos, é chamada de regeneração. É quando o Doctor se regenera (dã), mantém as memórias e habilidades, mas ganha um novo corpo e uma nova personalidade.

E como toda época de mudanças, é inevitável uma rodada quase infinita de boatos, gente se oferecendo, gente querendo o papel, fãs apostando e tal. Até o presente momento desse post, um nome bem comentado pelos fãs é o de Ben Whishaw. MAS também se comenta há algum tempo que o Doctor pode se regenerar em uma forma feminina e nesse caso, temos uma interessada, Hayley Atwell, conhecida pelo papel da Agente Carter, no filme do Capitão América e na série própria que a personagem ganhou pouco tempo depois.

Na verdade esse papo de uma Doctor já não é novo para todos os fãs da série. Desde que Tom Baker deixou o papel em 1981, já rolam boatos que nunca se confirmam. O próprio foi o criador da dúvida, já que quando saiu, declarou pra imprensa que “apoiava o próximo Doctor, fosse ele ou ela”. Iniciado o rebuliço, a imprensa inglesa passou semanas debatendo se o próximo Time Lord poderia – ou deveria – se regenerar em uma mulher. No fim das contas ele se regenerou no ator Peter Davidson e a vida seguiu sem uma Time Lady.

Ok, embarcamos na TARDIS e desembarcamos no presente. Hoje (mais do que nunca talvez), o assunto está em pauta novamente. O Showrunner atual Steven Moffat já havia abordado a questão ano passado, durante o BAFTA (prêmio da Academia Inglesa de Arte) onde ele defendeu contra o principal argumento dos críticos da regeneração feminina: O de que seria uma perda de um modelo de personagem masculino.

Segundo Moffat (em tradução livre):

Eu não penso que o Doctor é um modelo. Ele não é. Você não pode se basear realmente no Doctor. Ele é completamente fora de padrão, maluco, alienígena e conta com uma série de habilidades malucas que nós não contamos. Como você se baseia nisso? O modelo, o bom exemplo na verdade é o outro personagem. O Companion, seu melhor amigo, a pessoa que representa a todos nós, o humano normal, no meio daquelas situações surreais, daquele cara estranho, que atravessa galáxias e universos e vai se metendo em tudo que encontra, por que sim.

Quer mais? O próprio Moffat foi criando e aprofundando o Universo e criou uma versão feminina do Master (o arquirrival do Doctor) que regenerou na Missy. Por serem ambos da mesma raça, Moffat estabeleceu que Time Lords podem trocar o sexo biológico quando regeneram.

Claro que isso não vale muito agora que Moffat também está deixando a série. Na verdade ele largou o pepino na mão do próximo Showrunner, Chris Chibnall, que vai ter muito o que explicar, mas por enquanto tá na dele. Mas é óbvio que o assunto vai cair na mão dele de uma maneira ou de outra.

Mas a Agente Carter se encaixa no papel?

Hayley Atwell é uma popular atriz Britânica, alçada ao sucesso no mundo nerd depois do seu papel icônico como Peggy Carter no Universo Marvel. A personagem apareceu a primeira vez em Capitão América: O Primeiro Vingador, como a corajosa militar, interesse amoroso do Capitão e que mais tarde ganhou uma série no canal ABC, Agent Carter, onde ela era tava mais pra James Bond e menos para militar.

Eu acho que ela tem tudo que você pode esperar de um Doctor (mesmo tendo chegado agora pra assistir a série). Charme, classe, mas quando precisa de uma cena de ação ela dá conta e excêntrica também. Já tem experiência em papéis que demandam ação, tem já uma base de fãs e mais importante: Está interessada no papel.

Em agosto de 2015, durante uma sessão de perguntas e respostas, levantaram a questão, se ela gostaria de ser uma companion em Doctor Who. A resposta foi bem simples:

Eu gostaria de SER o Doctor Who.

Se a BBC finalmente decidir por uma Doctor, eu acho que não tem candidata melhor. Vai ser controverso? Vai. Vai ter gente reclamando? Vai. Vai ter mimimi? Amigos a gente vive na ERA DO MIMIMI moderno, claro q vai. Mas eu acho que é uma escolha boa e que nem vai causar tanta estranheza. Toda mudança de Doctor é históricamente conhecida por gerar polêmica e tal, mas essa eu acho que seria uma escolha que iria agradar a maioria dos fãs. Eu gosto há pouco tempo e já curti a ideia. E eu acho também que ela consegue ir de monólogos e discursos à aqueles momentos de loucura do Doctor numa boa. Mas lembre-se, por enquanto é tudo uma grande suposição.

 

Deixe uma resposta