Star Wars Celebration. Se você é um fã da saga, deve saber exatamente o que significa assistir a esse evento, mesmo que seja online. Não existe melhor maneira de descrever isso, mas a Celebration é uma carta de amor à saga que todos nós adoramos e a tudo que ela representa. Não sei se existe uma maneira de explicar bem isso, mas Star Wars é um universo que extrapolou todos os limites de um simples filme, livro, ou game. Star Wars se tornou, desde que foi lançado há 40 anos uma das fundações, talvez a maior fundação da cultura pop moderna. Tudo que veio depois foi influenciado pela visão de George Lucas.

Harrison Ford, Kathleen Kennedy, George Lucas, Billie Lourd e Mark Hamill

Claro que uma convenção tem como foco anunciar as novidades, se manter relevante para os fãs, mas nesse evento talvez mais do que qualquer outro, existe também uma troca. As pessoas vão para ficar sabendo das novidades, mas também vão pagar um tributo aos personagens, a saga, aos criadores e ao universo de Star Wars. Existe uma troca entre os criadores, atores, fãs e essa linha é muito tênue, quando o assunto é essa galáxia muito muito distante.

Quer um exemplo? Durante o painel que prestou uma homenagem aos 40 anos da saga, o moderador e ator Warwick Davis leu ao vivo uma carta que ele escreveu para George Lucas, após participar de O Retorno de Jedi. Quem é fã sabe que o ator é um puta fã da saga, tendo assistido o primeiro filme com apenas sete anos. Até aí normal mas cinco anos depois, aos doze, George Lucas deu ao menino a oportunidade de participar da saga, escalado como o Ewok Wicket.

Davis admite abertamente que Star Wars se  tornou uma parte integral da sua vida, sentimento esse que faz parte da vida de muitos atores que passaram de uma forma ou de outra pelos outros três dias de evento. Nesse mesmo painel Harrison Ford se referiu ao primeiro filme como o “início de uma incrível jornada”. Para Mark Hamill o papel de Luke Skywalker foi o papel de sua vida, que mudou tudo dali pra frente. Todo mundo que tem a oportunidade de fazer parte de Star Wars entra para história, como um ícone. Se você quiser ver o painel completo, só dar o play.

Tá achando que foi só isso? Nem a pau! Na sexta-feira (15) era o grande ponto alto do evento, todo mundo estava aguardando o painel sobre o Episódio VIII – Os Últimos Jedi. O painel contou com a presença do diretor Rian Johnson, Daisy Ridley, John Boyega, Mark Hamill e Kelly Marie Tran, que fez a sua primeira participação como membro oficial do elenco. A sua personagem faz parte da Resistência e se chama Rose, mas era um segredo até então, que ela teve que esconder de todo mundo, inclusive a sua própria família. Para a atriz fazer parte dessa família é: “incrível, por que existe tanta empolgação e tanto amor por tudo isso que você quer fazer parte. Quando consegue tudo que você quer é fazer jus a escolha da equipe”.

Mas de maneira geral, todo mundo que subiu ao palco sempre menciona esse amor pela franquia, sempre coisas muito positivas e gratidão em fazer parte de tudo aquilo. Durante o painel de Episódio VIII, sempre que possível os atores voltavam nesse ponto. Na noite da quinta, Rian Johnson foi até a fila de fãs que já se aglomerava pro painel de sexta para conversar com a galera, dando autógrafos e tirando fotos até o dia clarear e isso não é figura de linguagem. O autor Chuck Wendig, da trilogia de livros Marcas da Guerra, fez um workshop/painel falando sobre criação dos personagens preferidos dele. Isso sem mencionar toda a equipe do Story Group, como Pablo Hidalgo e Dave Filoni. Muitos e muitos cosplayers de todos os personagens possíveis e imaginaveis, famosos ou nem tanto. Um milhão de encarnações da Leia de Princesa a General. Foi praticamente como se o Lado Negro tivesse zero influência por ali. Até o cachorro da Carrie Fisher, Gary, apareceu no evento e foi paparicado por todos os fãs.

Além de toda essa felicidade e alegria, essa foi a primeira SW Celebration infelizmente sem a presença de Carrie Fisher, que faleceu no final do ano passado. Essa perda não foi grande apenas para o Universo dos filmes, mas para a própria Celebration, já que a nossa princesa (pra mim ela sempre será realeza) era sempre presença garantida (e divertida) no evento. A sua filha, Billie Lourd esteve presente e disse que a mãe adoraria ter estado presente em Orlando, esse ano: “Ela se sentia em casa aqui, na Celebration, cercada de fãs”. Mark Hamill conduziu um painel inteiro cercado de homenagens hilárias a atriz e amiga. Hamill disse que ela era uma das razões pela qual a Celebration era tão divertida e agradeceu a oportunidade poder falar pessoalmente sobre a sua “gêmea espacial”, ainda afirmando que isso era “parte do que ele precisava para seguir em frente […] Ela amava vocês e eu certamente amo vocês e nós precisamos nos apoiar para garantir que possamos honrar o legado dela de uma maneira que ela mereceu e sempre vai merecer”.

Eu assisti tudo à distância e não sei dizer se todo esse amor é devido aos 40 anos, mas isso certamente é a pedra fundamental do evento, o amor e o carinho que os fãs tem, os criativos tem e os atores também tem. Seja as homenagens à Carrie Fisher, seja Anthony Daniels contando piadas sobre as imitações de R2-D2 feitas por George Lucas, durante as gravações, ou seja a orquestra conduzida por John Williams durante a homenagem que você pode assistir aí acima. Tudo isso é uma carta de amor ao legado aparentemente eterno de Star Wars e impressionante de se assistir, mesmo à distância. Parece que a Força realmente existiu durante quatro dias, onde 60 mil pessoas passaram pelo evento e se reuniram em Orlando, na Flórida, só para homenagear Star Wars.

A próxima é no Japão, mas eu já estou pensando em fazer o possível e o impossível para estar presente na Celebration dos 50 anos de Star Wars. Imagina o quão épico não vai ser?

PS – Se você ainda não assistiu aos trailers de Episódio VIII – Os Últimos Jedi e o trailer da última temporada de Rebels, vou quebrar seu galho. Só dar o Play aí embaixo:

 

Deixe uma resposta