Já se vão uns bons anos desde que Dungeons & Dragons aterrissou no Brasil. O primeiro RPG de mesa da história e certamente o mais famoso, responsável por popularizar esse gênero de Fantasia Medieval por aqui chega a sua quinta edição e claro que será lançado aqui no Brasil. #TodosComemora \0/!

O lançamento é uma parceria entre a editora Gale Force Nine, que é responsável pela distribuição mundial do jogo e a brasileira Fire on Board. Dividido em três tomos – O Livro do Jogador, Livro do Mestre e Livro dos Monstros, a coleção tem previsão para ao longo de 2017, sendo que o Livro do Jogador está previsto para Maio. O CEO da Fire on Board ainda disse que “Como fãs de longa data, queremos oferecer ao nosso país a melhor versão possível dos produtos e garantir que nosso esforço inspire uma nova geração de jogadores”.

D&D 5ª Edição foi lançado nos US and A em 2014 com todo um novo conjunto de regras, mecânicas criativas e visual inspirado em Advanced Dungeons & Dragons, a 2ª Edição, lançada na década de 90.

Tá, mas e a tal polêmica?

Bem desde o anúncio de que D&D seria lançado em terras tupiniquins, a comunidade RPGista está em polvorosa. Além da informação oficial, que eu coloquei aí em cima, da Fire on Board, outras duas editoras foram colocadas como parceira na publicação, a Meeple BR e a Redbox. Segundo o Editor Geral da Redbox, Antônio Pop, as três empresas estavam negociando juntas diretamente com a Hasbro e a Wizards of the Coast desde 2015, através de uma joint venture, chamada FMR, criada exclusivamente para isso. O projeto foi andando e em 2016 toda a parte burocrática, preço, divulgação, entre outros fatores já estavam alinhados e a tradução do material pôde finalmente começar.

Ainda segundo Antônio Pop, no dia de assinar o contrato, a Fire on Board teria informado de que estava se retirando da sociedade por não ter mais interesse no projeto. Foi só quando eles procuraram a Gale Force Nine, que descobriram que o contrato já havia sido assinado pela Fire on Board.

A Editora Meeple BR, através de um comunicado publicado em seu perfil oficial no Facebook, confirmou tudo que já havia sido dito pela Redbox:

O comunicado ainda diz que após a divisão das responsabilidades, a “Fire on Board ficou com as conversas com a Gale Force Nine e o marketing” e ainda que “a Fire on Board agiu de má-fé, assinando o contrato de licenciamento diretamente”.

Já a Fire on Board, também soltou um comunicado, negando as acusações e afirmando que desde o início, as negociações foram realizadas entre eles e a Gale Force Nine e o CEO da Fire on Board, João Barcelos ainda declarou que não houve intermediário além dele próprio.

Calma que tem mais. Ele ainda afirma que não houve nenhuma negociação diretamente com a Wizards of the Coast, editora de D&D ou com a Hasbro, que é a proprietária da marca. Segundo Barcelos, a Fire on Board pensou em trabalhar com outras empresas brasileiras, mas a parceria morreu na praia por “falta de confiança”.

João Barcelos ainda afirmou que a tradução adiantada pela Redbox foi paga, apesar de sequer ter sido vista e/ou aprovada.

A Meeple BR afirmou que pretende “tomar medidas jurídicas cabíveis”. Ou seja, lá vem a fada do processinho. A Redbox em um primeiro momento não quis tomar medidas para não “atrapalhar o D&D no Brasil”, mas após ver que a comunidade RPGista ficou contra a Fire on Board, também resolveu entrar na justiça e a Fire on Board também está tomando medidas jurídicas com relação às declarações das outras duas.

Pra mim no fim das contas só quem sai perdendo é a comunidade RPGista, que além de ver esse barraco em rede nacional, muito provavelmente vai ter que esperar resolver toda essa confusão jurídica. Se você quiser ler mais sobre o caso, clique aqui e veja abaixo as reações no post oficial sobre Dungeons & Dragons no perfil da Fire on Board, se tiver estômago, por que a galera tá revolts nos comentários:

E você? O que acha de tudo isso? Mesmo assim pretende adquirir a versão em português de D&D 5ª Edição? Deixe aí nos comentários.

Deixe uma resposta