Como diz nosso querido Google, a definição de Imprensa é “qualquer meio utilizado na difusão de informações jornalísticas” e isso não tem muito a ver com o meu currículo profissional de Engenheiro de Materiais com Pós-Graduação em Engenharia Civil. Mas mesmo assim, lá estava eu na minha primeira feira de eventos como imprensa/jornalista/blogueiro na Brasil Game Show 2016. No meu atual emprego, já participei de feiras e eventos como expositor, mas agora, a experiência foi outra. Hoje, eu fui o crítico. Eu fui a pessoa que analisava os produtos, tirava dúvidas e chegava às minhas próprias conclusões.

Logo ao entrar na feira, eu seguia as orientações para a entrada de imprensa e foi engraçado, pois ao entrar no pavilhão, eu não fazia a menor ideia do que fazer em seguida! Peguei um mapa com a localização dos estandes e fui caminhando sem destino pelos corredores. Engraçado que durante anos, eu sempre joguei vídeo game, desde meu primeiro Game Boy Pocket até hoje com meu PS4, mas mesmo assim eu não sabia direito o que tinha a minha frente. O objetivo não era apenas jogar, mas sim analisar com uma visão crítica tudo aquilo que tinha para se ver e jogar. Com a exceção de Resident Evil VII, que estava com o mesmo demo que eu já tinha jogado pós E3, cada jogo era uma sensação diferente. Eu tenho facilidade para entrar no clima de um jogo, filme ou seriado, mas pra mudar essa chave que tenho na cabeça para experimentar algo com a razão e não com emoção, foi difícil. Ainda mais por se tratar de algo que faço por prazer, e aí um belo dia ter que analisar friamente cada um dos jogos, dificultou essa missão.

[NOTA DO EDITOR] Quando eu cheguei, não parecia tão difícil assim pra ele, já que ele parecia uma criança solta em um parque de diversão, mas tudo bem. [NOTA DO EDITOR]

Quando comecei a me acostumar com essa posição, encontrei os meus amigos Leo e Luis, que me convidaram para ajudar na cobertura do evento, para conversarmos sobre as experiências que tive e aí eu vi como funciona a parada, malandro. Só pelo fato de ver eles com câmeras semi profissionais, tripés e mochilas que sei lá eu mais o que tinha dentro, e eu com apenas a chave da porta de casa no bolso, já veio aquela pressão. Eles já estão acostumados com essa rotina e o site já está na internet faz um tempo, aquela situação não era novidade pra eles. Logo que nos encontramos, eles já foram a encontro de pessoas conhecidas, e quando me toquei, estava conversando com assessores de imprensa, produtores dos jogos, gerentes de marketing e logo depois estava numa sala com muita gente, discutindo sobre jogos eletrônicos nas olimpíadas vendo  pessoas trabalhando e seus computadores fritando, fazendo textos, editando fotos e vídeos para serem usados futuramente na internet. Para o público em geral, tem-se um preconceito com as pessoas que trabalham com vídeo games, pois pensa que tudo que fazem durante o dia, é ficar jogando e postando vídeos de gameplay. Mas mal sabem que este meio é muito profissional e por trás de um site ou de uma notícia, se tem muita pesquisa, análise ou até entrevistas.

Aos poucos, fui me soltando, fazendo novas análises, conversando com pessoas aqui, pessoas ali e posso dizer com firmeza: gostei! Quero fazer mais disso! Discutir sobre jogos, fazer críticas, analisar novos jogos e como um bom degustador de jogos FPS, torcer para o lançamento do Half Life 3, mas isso é assunto para outra matéria.

[NOTA DO EDITOR] Tá contratado! [NOTA DO EDITOR]

Gostaria de agradecer o Leo e o Piriquito pela oportunidade que me deram e podem ter certeza que estarei por aqui dando minhas opiniões sobre esse mundo maravilhoso dos games!

[NOTA DO EDITOR]

Não tem por onde, pequeno gafanhoto. A gente que agradece! 

O Bruno ainda vai falar sobre todos os games que ele está lá neste momento testando. Fique de olho aqui no ProcrastiNATION para as análises de um blogueiro de primeiríssima viagem!

[NOTA DO EDITOR]

Deixe uma resposta